Célula-tronco faz estímulo cruzar lesão na medula

O Estado de São Paulo
03/12/2004

Pesquisa com tetraplégicos e paraplégicos usou injeção de células da medula dos próprios pacientes

Um estudo com células-tronco em andamento no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo vem apresentando resultados que, no futuro, poderão significar uma esperança para quem sofreu lesão na medula espinhal.

Trata-se da injeção de células-tronco, retiradas da medula óssea da própria pessoa, no local onde houve a lesão.

Em 15 dos 32 pacientes (tetraplégicos e paraplégicos) cuja evolução vem sendo acompanhada há dois anos pelos médicos do HC, verificou-se uma reação inesperada: ao receberem estímulos elétricos nas pernas, eles tiveram reflexos no cérebro.

Ou seja, o impulso passou pelo ponto onde ocorreu a ruptura e conseguiu chegar até o órgão. Os 15 também relataram uma melhora na sensibilidade dos membros afetados pela paralisia - disseram que passaram a "senti-los melhor."

Os estudiosos ainda não sabem se as células-tronco provocaram a regeneração do ponto lesionado e continuam a investigação. O fato de o impulso ter atingido o cérebro foi considerado animador.


Evolução
Um dos integrantes da equipe, o ortopedista Raphael Marcon, especializado em coluna vertebral, apresentou os resultados parciais do trabalho na quinta-feira, durante o seminário Células-tronco e terapia celular, promovido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Marcon alerta: é preciso ter cautela. "O leigo acha que a pessoa vai sair andando, mas não é assim", avisa."O estudo nos dá esperança para o futuro. É preciso começar de algum jeito."

Marcon lembra que ainda é preciso refinar a técnica utilizada e entender como as células-tronco agem exatamente. O estudo, coordenado pelo ortopedista Tarcísio Barros Filho, envolve pesquisadores do Hemocentro e do Instituto de Radiologia do HC, além do Instituto de Ortopedia e Traumatologia.

As lesões medulares, que podem ser provocados por tiros, golpes de faca, traumas no trânsito, mergulhos ou outros acidentes, são gravíssimas e levam à morte instantânea na maior parte dos casos. Entre 4% e 16% das pessoas morrem depois de serem hospitalizadas.

As pessoas que participam da pesquisa ficaram paraplégicos ou tetraplégicos entre dois e doze anos antes (em até dois anos, é possível que haja uma melhora espontânea do quadro).

¤

Compartilhe:

Busca

Busca do governo

* Estatísticas

Visitas: 32.276.112

* Realização:

logo da USP logo da PRCEU

* Fale Conosco

Entre em contato com o Programa USP Legal