Projeto ADEFAV 2002

Rede SACI
Brasil, 01/07/2002

Primeiro Centro de referência em estudo e atendimento para o surdocego e o múltiplo deficiente sensorial no Brasil

A ADefAV - Associação para Deficientes da Áudio Visão, entidade filantrópica, considerada de utilidade pública municipal, estadual e federal, formada por pais de alunos, amigos e profissionais da área, há 19 anos atende o SURDOCEGO E MÚLTIPLO DEFICIENTE SENSORIAL. Com grande reconhecimento internacional, recebe subsídios teóricos do Programa Hilton/Perkins para a América Latina da Perkins School for the Blind, EUA, e promove cursos de treinamento e capacitação de profissionais para atuarem nessa área em todo o Brasil.

Hoje a sede é um sobrado, situado no bairro do Cambuci, Av. Lacerda Franco, 253, onde atende 80 portadores de surdocegueira e múltipla deficiência sensorial com mais 18 alunos em fila de espera. Os Programas da ADEFAV atendem bebês, crianças, adolescentes, jovens e adultos, em educação individualizada (um professor por aluno), até a escolaridade em grupos ou em oficina profissionalizante, podendo até chegar a inclusão em escola de ensino regular.

A partir de julho de 2002, surdocegos, múltiplos deficientes sensoriais e respectivas famílias poderão contar com um local cuidadosamente planejado para oferecer-lhes atendimento integral. Trata-se da nova sede da ADefAV proveniente de doação da Softwer Stiftung AG, Alemanha, um prédio de 2000 m.2 de área construída, com capacidade para atender 120 alunos, obra sem igual, que viabilizará a implementação do Primeiro Centro de Referência em Estudo e Atendimento para o Surdocego e Múltiplo Deficiente Sensorial no Brasil.

A surdocegueira, cuja maior causa é a Rubéola Materna, caracteriza-se pela extrema dificuldade de comunicação que acarreta ao indivíduo. Educar um portador de surdocegueira requer educação especializada com objetivo principal de desenvolver uma comunicação efetiva.

Este é o ponto em que a educação se diferencia, como a comunicação não pode ocorrer por meio da audição e visão, as mãos e o toque se fazem presentes a todo o momento. Tais alternativas de comunicação existem e podem ser desenvolvidas para inserir o surdocego em atividades sociais e de trabalho.

Quanto mais cedo se iniciar o atendimento, maiores as possibilidades de sucesso, como aconteceu com Domitila (20 anos), atendida desde bebê, com ótimo suporte familiar, hoje freqüenta o primeiro colegial e é professora de Língua de Sinais.

Na nova sede, a ADefAV, além de continuar a desenvolver as atividades habituais, também implementará outras que ainda não foram possíveis devido à falta de espaço físico da sede atual, tais como: trabalhos artísticos, oficinas profissionalizantes de culinária e cerâmica, esportes adaptado, lazer e recreação. Ainda será instalada uma clínica de atendimento terapêutico para os alunos e para a comunidade que contará com fonoaudiólogo, fisioterapeuta, psicólogo, pedagogo e terapeuta ocupacional; especialistas em visão sub-normal e orientação/mobilidade. Serão desenvolvidos novos cursos de Treinamento e Capacitação de profissionais para preparar um grande número de pessoas aptas a educar surdocegos e múltiplos deficientes sensoriais.

A viabilização deste projeto por meio de parcerias internacionais e nacionais será uma vitória para o Brasil, provando que nós brasileiros preocupamo-nos com a educação do deficiente em nosso país, e que ao participar estamos exercendo nosso dever de cidadania e garantindo o direito de cidadão desses deficientes.

Venham conhecer o Projeto da ADEFAV e sejam parceiros, na implantação do Primeiro Centro de Referência em Estudo e Atendimento para o Surdocego e Múltiplo Deficiente Sensorial no Brasil. Um marco na educação do deficiente, que virá abrir espaço para a surdocegueira e projetará São Paulo como vanguarda na Educação do Surdocego e Múltiplo Deficiente Sensorial, oferecendo a eles igualdade de oportunidades.

¤

Compartilhe:

Busca

Busca do governo

* Estatísticas

Visitas: 26.058.455

* Realização:

logo da USP logo da PRCEU

* Fale Conosco

Entre em contato com o Programa USP Legal