Conselhos práticos para pais de crianças com Síndrome de Down

Fundación Síndrome de Down de Cantabria
27/09/2005

Veja dicas de como tornar a criança com Síndrome de Down independente em seu futuro

Ada Afane Castro

Um dos fatores que mobilizaram a amiga e companheira de lutas Eliane Almeida, da ADID, a procurar montar um Centro de Orientação a Famílias e Profissionais em São Paulo, um projeto ambicioso, foi exatamente o fato de que os pais pouco ou nada conhecem, em seu ponto de vista, acerca de como desenvolver a criança pequena com síndrome de Down.

Nosso projeto 777 vai indo de vento em popa, e estamos aproveitando estas informações colhidas na Internet para informar a pais que possam estar em contato conosco de muitas partes do Brasil:

Alguns conselhos:
- Pais e profissionais devem trabalhar em conjunto na tarefa de educar a criança.
- Sempre levar em conta ter objetivos que levem a converter a criança de hoje numa pessoa capaz de se desenvolver por si mesma no futuro. A estimulação ideal é a que se realiza no contexto natural da criança.
- Colocar em prática o que a criança está aprendendo na classe, bem como as experiências vividas, favorecem a consolidação e a generalização.
- Somente assistir as sessões não é suficiente.
- É conveniente procurar obter resultados a médio prazo, o excesso de estimulação ou defeitos na estimulação pode ser prejudicial.

A presença dos pais nas sessões de estimulação é muito benéfica:
- Isso favorece clima de confiança entre pais e profissionais.
- Facilita a comunicação recíproca acerca dos progressos da criança.
- Permite o planejamento conjunto de objetivos novos.

Quando os pais conhecem o momento evolutivo do filho saberão aproveitar qualquer atividade para reforçar o que a criança está aprendendo.

Ainda que diversificar as atividades seja uma coisa necessária, comprar muitos brinquedos não implica numa estimulação melhor.

- Se soubermos o que desejamos trabalhar saberemos qual o brinquedo mais conveniente.
- O ideal é comprar brinquedos que tenham muitas utilidades.
- Muitos objetos que conservamos em casa podem desempenhar a mesma função que os brinquedos: pincéis coloridos, peças de roupa, copos de plástico, fotos, revistas, latas de comida...
- Alguns brinquedos comerciais não são adequados.

A manutenção de objetivos claros evita confusão com as atividades.
Através de uma atividade, múltiplos aprendizados podem ser reforçados

Maneira de trabalhar nas primeiras etapas:
- Prestar muita atenção em qualquer gesto, olhar ou movimento do bebê.
- Apresentar estímulos atraentes e interessantes para a criança a fim de lhe chamar a atenção.
- Transmitir através de modelar as coisas e de estímulos visuais aquilo que pretendemos que a criança faça nas diferentes atividades.
- Consolidar as novas aquisições antes de dar um passo à frente.
- Avançar, introduzindo novidades mínimas sobre o que foi aprendido.
- Dar à criança a oportunidade de ter experiências diversas e de por em prática as habilidades adquiridas em situações diferentes.

Traduzido do espanhol e digitado por Maria Amélia Vampré Xavier
Grupo de Informações da Rebraf - Área Internacional
Assoc. Carpe Diem, filiada a Inclusion InterAmericana
Conselho Consultivo da Ass. Sorri Brasil, SP
Diretora para Assuntos Internacionais da Federação Nacional das APAEs
Consultora de Comunicação de Inclusion InterAmericana
Grupo Tarefa de Comunicação de Inclusion International, em 6 de setembro, 2005

¤

Compartilhe:

Busca

Busca do governo

* Estatísticas

Visitas: 31.406.901

* Realização:

logo da USP logo da PRCEU

* Fale Conosco

Entre em contato com o Programa USP Legal